As criptomoedas vêm ganhando notoriedade a cada dia, não só pela sua tecnologia disruptiva, de ser uma moeda digital, que pode ser utilizada como meio de pagamento e outras funções, mas também como um ativo de investimento. Em apenas um ano, o Bitcoin, a principal criptomoeda, valorizou mais de 600%.

Até pouco tempo, o investidor tinha acesso a esses ativos apenas por meio de exchanges (corretoras específicas) fora das diretrizes da CVM, investindo diretamente em cada moeda digital de preferência. Este cenário mudou com a chegada do ETF (Exchange Traded Fund) HASH11 na bolsa brasileira B3.

Para relembrarmos, ETFs são fundos negociados em bolsa de valores, que buscam replicar a carteira e a performance de um índice de referência. Eles são administrados de forma passiva por uma gestora e a negociação das cotas acontece durante o pregão da bolsa de valores brasileira, ou seja, acessível pelo Home Broker de sua corretora.

Hashdex Nasdaq Crypto Index Fundo de Índice (HASH11)

O ETF, criado pela gestora Hashdex, replica o Nasdaq Crypto Index (NCI), índice desenvolvido pela Nasdaq (bolsa americana), e tem como objetivo ter retornos que correspondam em reais à performance do benchmark. Atualmente, o índice é composto por seis criptomoedas: Bitcoin, Ethereum, Litecoin, Chainlink, Bitcoin Cash e Stellar com as participações abaixo:

Elaboração: Fliper

O NCI é rebalanceado trimestralmente e a gestora ressalta que novos ativos podem entrar para o índice enquanto os atuais integrantes podem sair.

Durante o período de reserva, antes de estrear na bolsa, o fundo captou R$ 615 milhões, quase três vezes mais do que o valor mínimo da oferta, atraindo mais de 30 mil investidores. No seu primeiro dia de negociação, o ETF fechou em alta de 12,26%, sendo cotado a R$53,10.

A taxa de administração do HASH11 é de 0,3% ao ano (a taxa de administração máxima, incluindo o fundo de índice alvo, é de 1,3% ao ano). Quanto à tributação de ETFs, em operações de day trade (compra e venda no mesmo dia), incidem a alíquota de 20% de IR sobre o lucro líquido, e em operações normais (compra e venda em dias diferentes) 15% sobre o ganho de capital na alienação de cotas. Não há isenção em vendas abaixo de R$ 20 mil no mês, que existe para ações. E não há IOF, nem come-cotas. O imposto de renda deve ser recolhido até o último dia útil do mês seguinte ao da operação via DARF.

Outro ponto importante, os prejuízos acumulados em ações podem ser compensados em ganhos com ETFs, e vice-versa. Mas prejuízos em operações comuns (compra e venda em dias diferentes) só podem ser compensados com ganhos em operações comuns e prejuízos em day trade só podem ser compensados com ganhos em day trade.

Por trás da Hashdex

A maior gestora de ativos digitais da América Latina, foi fundada em 2018, no Rio de Janeiro, por Marcelo Sampaio, Bruno Caratori e Thiago Costa com o propósito de facilitar o acesso ao mundo das criptomoedas por meio do mercado financeiro tradicional. Atualmente, a Hashdex possui 5 fundos multimercados, além do ETF, sendo a maioria deles voltada para os investidores Qualificados e Profissionais, contendo um para os investidores em geral.

Riscos, vantagens e desvantagens em ETFs de criptos

Como pontuamos em outros artigos, a diversificação de investimentos é muito importante para que você consiga diluir seus riscos e conseguir bons retornos. 

Quando comparamos a diferença entre investir diretamente em criptomoedas ou por meio de ETFs, existe uma facilidade maior através de ETFs, pois podem ser negociadas no Home Broker da sua própria corretora. Outros pontos são a segurança e regulação, onde nos ETFS todas as partes envolvidas (fundo, bolsa de valores, corretoras, etc) são verificadas e suas transações são monitoradas, para evitar atividades ilegais.

A desvantagem do ETF é negociar apenas em dias úteis, durante o pregão da bolsa de valores brasileira, enquanto a negociação de criptomoedas, pelas exchanges, ocorre 24 horas por dia e todos os dias da semana.

Vale ressaltar que a exposição em criptomoedas, ao mesmo tempo que possui alto potencial de retorno, também envolve muitas incertezas e riscos. Caso tenha interesse nesse mercado, sugerimos que seja direcionada apenas uma pequena parcela do seu patrimônio, que não faça falta em caso de perda, e esteja ciente que haverá alta volatilidade nos preços.

É sempre válido conhecer e acompanhar as novas tecnologias que podem transformar o mercado, pois podem aparecer oportunidades no meio do caminho. 

Como administrar sua carteira de investimentos?

Agora que você conheceu o primeiro ETF de criptos da B3, lembramos que a diversificação dos recursos em diferentes classes de ativos e instituições financeiras pode dificultar o acompanhamento e controle do patrimônio.

Entrar no site de cada casa para buscar os informes de IR e classificar seus investimentos em uma planilha de excel pode dar trabalho e tomar muito tempo.

Visando solucionar este problema, a Fliper é uma plataforma (aplicativo e web) gratuita que consolida todos os seus investimentos de bancos, corretoras e FGTS, de forma automática, e ainda envia todos os informes de IR das contas conectadas de uma só vez!

Ainda é possível acompanhar gráficos de rentabilidade da carteira, evolução patrimonial, analisar fundamentos dos ativos, receber notificações de proventos, disponibilidade de liquidez, entre diversas outras funcionalidades que ajudam o investidor a tomar melhores decisões.

Quem se conhece, melhor investe!

Telas do app Fliper