Os 7 erros do investidor e como evitá-los

Por Walter Poladian, CFP®

O cenário atual de juros baixos e recuperação econômica leva muitos brasileiros a diversificarem sua carteira de investimentos.

É, sem dúvida, uma tática saudável fazer o dinheiro trabalhar por você e gerar uma renda extra. 

Entretanto, a falta de conhecimento sobre o mercado financeiro pode levar às pessoas a investirem de forma inadequada e obterem resultados abaixo da média.

Confira os 7 erros que todo investidor deve evitar: 

1 – Não se educar financeiramente

Infelizmente a educação financeira nas instituições de ensino brasileiras ainda é muito precária. E o histórico de juros altos no país, gerou comodidade aos brasileiros, que tinham bons retornos com investimentos conservadores e não se preocupavam em aprender sobre investimentos mais arrojados.

Mas hoje a realidade é outra, tem muito conteúdo sobre o assunto disponível na internet e, com a Selic no menor patamar histórico, há uma necessidade maior de investir em ativos de risco para obter retornos acima da inflação.

2 – Carteira desalinhada com o próprio perfil

É essencial conhecer seu perfil de investidor e ter uma carteira adequada aos seus objetivos e à sua capacidade de tomar riscos. Um portfólio desalinhado ao perfil pode afetar tomadas de decisões, como resgates ou vendas de ativos em momentos ruins. 

3 – Não diversificar a carteira

Você com certeza já ouviu a famosa frase “não coloque todos seus ovos em uma única cesta”. Quando tratamos de investimentos não deve ser diferente: a concentração apenas em um único ativo gera ineficiência para sua carteira.

Aumentando a diversificação do seu portfólio, você pode reduzir os riscos. O ideal é tentar montar uma carteira mais eficiente, buscando melhorar a relação risco x retorno. Em um cenário ruim, perde-se pouco. Em um cenário positivo, ganha-se muito.

4 – “Esquecer” os investimentos 

Tão importante quando diversificar, é acompanhar de perto a performance da sua carteira.

É muito importante identificar o tamanho das posições e das classes de ativos dentro do portfólio, para assim adaptar seus investimentos de acordo com as mudanças de cenário e saber onde alocar os próximos valores poupados.

Não acompanhar a evolução dos seus ativos, pode te custar caro.

5 – Ignorar o apoio da tecnologia

A diversificação dos recursos em diferentes classes de ativos e em diferentes instituições financeiras pode dificultar o acompanhamento e controle do patrimônio.

Entrar no site de cada instituição financeira e classificar seus investimentos em uma planilha de excel pode dar trabalho e tomar muito tempo.

Visando solucionar este problema, surgiram diversos aplicativos, como o Fliper, que consolidam os investimentos e ajudam o investidor a ter um melhor controle do seu patrimônio.

6 – Ter visão de curto prazo

Paciência e planejamento são essenciais para realizar bons investimentos. Estratégias de médio e longo prazo são positivas, pois as teses de investimentos não ocorrem de um dia para o outro.

Olhar diariamente o sobe e desce das cotações, pode levar o investidor a tomar má decisões por impulso. Além disso, ficar trocando de ativos toda hora acarreta em maiores custos e imposto de renda, o que afeta diretamente no efeito dos juros compostos.

7 – Não estabelecer objetivos

Ao diversificar sua carteira é importante adequar os investimentos de acordo com seus objetivos. Por exemplo, ter sua reserva de emergência em ativos de baixo risco e com liquidez, como fundos DI ou Tesouro Selic, para atender necessidades de curto prazo.

Já para objetivos de médio prazo, pode-se alocar em fundos multimercados, que mesclam ativos de renda fixa e variável. Ações e fundos imobiliários são indicados com visão de longo prazo. E previdência para o longuíssimo prazo.

A falta de objetivos claros pode afetar diretamente sua estratégia de investimentos.

Walter Poladian, CFP® é sócio-fundador do Fliper

Formado em administração de empresas pela FAAP, planejador financeiro certificado (CFP®) pela PLANEJAR, possui também a certificação PQO da B3 e é consultor de valores mobiliários na CVM. Com experiência de mais de dez anos no mercado financeiro, atuou como planejador financeiro na Empiricus e em passagem por duas grandes corretoras (Rico e Link), atuou como gestor da mesa de renda fixa, consultor de investimentos e operador (broker) nos mercados de ações e derivativos.

Sobre o Fliper 

O Fliper foi lançado em outubro de 2018 e hoje conta com mais de 60 mil usuários e R$ 6 bilhões de investimentos mapeados. Está disponível para os sistemas iOS e Android com download gratuito. A empresa conta com uma equipe diversa formada por programadores, desenvolvedores, economistas e planejadores financeiros.

Siga-nos

Últimos artigos

Investimento em ouro vale a pena? Descubra!

O investimento em Ouro costuma ser lembrado por boa parte dos investidores. Isso acontece especialmente em períodos econômicos complicados, em que a rentabilidade da...

Você sabe o que são os Fundos Quantitativos?

Buscar novas alternativas de investimentos pode ser interessante para conhecer oportunidades de diversificar ainda mais sua carteira. Entre as possibilidades, vale a pena saber...

Rendimento do FGTS: por que pode valer a pena...

No passado, era comum que as pessoas desejassem resgatar o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) sempre que possível. Em muitos casos,...

4 maneiras de investir no exterior sem sair do...

Alocar o patrimônio em diferentes investimentos e mercados é uma forma bastante estratégica de proteger o seu dinheiro e ampliar as possibilidades de ganhos....

Similar articles

Instagram