Como escolher os melhores FIIs para sua carteira? Veja 5 dicas!

Os Fundos de Investimento Imobiliário (FIIs) são alternativas para quem deseja aproveitar o potencial desse mercado, sem investir diretamente em imóveis físicos. No entanto, ao explorar essa opção, é comum ter dúvidas sobre como escolher os melhores FIIs.

Eles podem ser de diferentes tipos e, por serem de renda variável, trazem mais riscos ao investidor. Assim, saber como fazer a escolha ajudará a compor a carteira de investimentos da melhor maneira. Quer aprender como acertar na decisão? 

Prédios comerciais em centro urbano

Continue a leitura para saber mais sobre esse investimento e acompanhar 5 dicas para escolher os melhores FIIs para você!

O que são FIIs?

Antes de tudo, vale entender o que é um Fundo Imobiliário. Essa é uma modalidade coletiva de investimento, em que o investidor adquire cotas para participar do fundo. Enquanto isso, um gestor profissional se responsabiliza pela composição do portfólio e negociações de ativos.

Nesse caso, o foco é em alternativas atreladas ao mercado imobiliário, que podem ser imóveis, títulos de crédito relacionados ao mercado imobiliário ou cotas de outros FIIs. Ao investir, você pode obter ganhos com o pagamento de rendimentos periódicos e com a valorização da cota.

Visão geral de FIIs

Em muitos casos, a distribuição dos lucros acontece com frequência – por exemplo, mensalmente. Isso é mais comum em fundos focados na locação de imóveis. Além disso, é possível ter ganhos na venda da cota, caso ela sofra valorização no mercado ao longo do tempo. 

Quais são os principais tipos de FIIs?

Existem diferentes tipos de FIIs, o que influencia nos riscos e potencial de retorno. Por isso, é um aspecto essencial que você precisará avaliar para tomar decisões sobre em qual investir. 

Conheça os 3 principais:

  • fundos de tijolo: investem de maneira majoritária em imóveis físicos, podendo obter renda pela venda (valorização) de ativos e com aluguéis;
  • fundos de papel: investem em títulos atrelados ao mercado imobiliário, como Letra de Crédito Imobiliário (LCI) ou Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI); 
  • fundos de fundos: aporta em cotas de outros FIIs, favorecendo a diversificação.

Ainda, vale destacar que eles podem ter diferentes finalidades ou classificações. Por exemplo, podem ser de renda, visando renda passiva para os investidores. Outra modalidade são os FIIs de compra e venda, com foco maior nos ganhos com a valorização do imóvel. 

Tipos de FIIs de tijolo:

Edifícios comerciais – Lajes corporativas

Edifício CENESP

CENESP – Fonte: bcfund.com.br

Galpões Logísticos

Centro de Distribuição Bandeirantes

Centro de Distribuição Bandeirantes – Fonte: www.kinea.com.br 

Shopping Centers

Shopping Tacaruna FIis

Shopping Tacaruna – Fonte: www.vincishopping.com.br 

Agências bancárias

Agência do BB

Agência BB – Fonte: pt.wikipedia.org

Escolas/Faculdades

Faculdades em FIIs

Insper – Fonte: www.insper.edu.br

Hospitais

Hospital Nossa Sra. de Lourdes

Hospital Nossa Sra. de Lourdes – Fonte: saoluiz.com.br

Hotéis

Hotel Berrini FIIs

Tryp Berrini – Fonte: tryp-berrini.hotelsaopaulo.org

Quais as vantagens de investir em FIIs?

Antes de investir em FIIs, é normal se perguntar quais são as vantagens que eles oferecem para o investidor. A primeira é a acessibilidade para investir no mercado imobiliário: as cotas podem ter diferentes preços, trazendo oportunidades para os pequenos investidores.

Outra vantagem é que, como as cotas são negociadas na bolsa, é possível encontrar opções com maior liquidez. Mais um benefício é a diversificação da carteira, pois os fundos são compostos por diversos investimentos. 

Em comparação com a compra de imóveis físicos, os Fundos Imobiliários são mais acessíveis e menos burocráticos. Por fim, a tributação pode ser vantajosa. Não há incidência de Imposto de Renda sobre os rendimentos mensais para as pessoas físicas, desde que sejam cumpridos alguns requisitos. 

São eles:

  • o investidor não ter mais do que 10% dos totais das cotas;
  • o FII ter pelo menos 50 cotistas;
  • fundo ser negociado exclusivamente na bolsa ou no mercado balcão.

Entretanto, há tributo no caso de lucros pela venda das cotas. A alíquota é de 20% sobre o ganho, e deve ser recolhida via Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF).

Como escolher os melhores FIIs? Veja 5 dicas!

A escolha dos melhores FIIs para a sua carteira depende da avaliação de diversos fatores. Somente assim é possível identificar aqueles que são mais adequados ao seu perfil de investidor e objetivos. 

Confira 5 dicas para ajudá-lo a entender como analisar um Fundo Imobiliário e escolher bons FIIs para sua carteira!

1. Entenda a estratégia do fundo

Comece identificando a estratégia do fundo. Como você viu, os FIIs podem ser de diferentes tipos e finalidades. Avalie se o investimento de seu interesse está alinhado aos seus objetivos e perfil, já que isso afeta os riscos e a rentabilidade. 

Se a ideia é viver de renda passiva, um fundo de tijolo focado no recebimento de aluguéis pode ser interessante. Caso o objetivo seja ter maior segurança, talvez os fundos de papel sejam mais adequados. Para quem deseja diversificar, os fundos de fundos ajudam na estratégia.

Porém, tudo isso pode variar conforme as características de cada veículo de investimento e do próprio investidor. Portanto, levante todas as informações para analisá-las com calma. 

2. Análise o portfólio do FII

O portfólio do FII mostra os imóveis, títulos, cotas e outros investimentos que compõem o fundo. Quando se fala em boas práticas para o investidor, é normal se deparar com dicas sobre a diversificação de carteira, não é?

O objetivo é trazer mais equilíbrio e segurança para os investimentos. Isso porque o baixo desempenho de um pode ser compensado por bons resultados de outros. O mesmo vale para os FIIs: um portfólio com diferentes tipos de fundos e setores permite reduzir os riscos.

3. Conheça o histórico do investimento

Os resultados obtidos anteriormente podem ajudar a ter uma ideia do potencial de resultado do fundo. Por isso, verifique como foram os rendimentos pagos e a valorização das cotas em períodos anteriores.

Entretanto, é preciso ter atenção: o histórico não garante a manutenção do desempenho. É possível ter quedas ou resultado menor. Portanto, esse não deve ser um fator analisado de maneira isolada.  

4. Verifique os indicadores

Os indicadores fundamentalistas são bastante citados na análise de ações para longo prazo. Porém, também podem ser aplicados aos Fundos de Investimento Imobiliário. Com essa avaliação, é possível ter uma visão mais sólida sobre o potencial do FII. 

Um dos mais comuns é o que traz a relação entre preço da cota e o valor patrimonial. Quanto menor a relação do preço do FII pelo valor patrimonial do fundo, mais atrativo está o investimento.

Contudo, não basta analisar apenas um indicador isoladamente. É preciso considerar diversos fatores em conjunto para um resultado mais completo. Para isso, procure outros indicadores, como o Dividend Yield, que indica a taxa anual de dividendos distribuídos.

5. Avalie a gestão do FII

Antes de escolher, observe também a gestão do FII, analisando questões como comunicação, transparência e qualidade da administração. Verifique os relatórios emitidos e o tom utilizado para tratar com os cotistas. A experiência no mercado financeiro é outro diferencial.

Considerar todas essas características é uma forma de identificar com maior facilidade quais são os melhores FIIs para a sua carteira. Entretanto, não se esqueça de ponderar também o seu perfil e objetivos para fazer escolhas adequadas, que atendam às suas necessidades.

Como acompanhar os FIIs dentro da sua carteira de investimentos?

Agora que você já conhece as vantagens dos fundos imobiliários e como eles podem fazer parte da sua carteira de investimentos, lembro que a diversificação dos recursos em diferentes classes de ativos e instituições financeiras pode dificultar o acompanhamento e controle do patrimônio.

Entrar no site de cada casa e classificar seus investimentos em uma planilha de excel pode dar trabalho e tomar muito tempo.

Visando solucionar este problema, a Fliper é uma plataforma (aplicativo e web) gratuita que consolida todos os seus investimentos de bancos, corretoras e FGTS, de forma automática, em um único lugar.

Telas do app Fliper

Ainda é possível acompanhar gráficos de rentabilidade da carteira, evolução patrimonial, receber notificações de proventos, disponibilidade de liquidez, entre diversas outras funcionalidades que ajudam o investidor a tomar melhores decisões.

Quem se conhece, melhor investe!

Siga-nos

Últimos artigos

O que são NFTs e como funcionam os Non-Fungible...

Com o avanço da tecnologia em rápida velocidade, as pessoas correm o risco de não conseguir acompanhar todas as novidades e perder oportunidades de...

Índice de Sharpe: entenda o que é e como...

Ao analisarmos investimentos, é possível compará-los por diferentes parâmetros — como risco, liquidez e rentabilidade. No entanto, muitas vezes, esses fatores isolados não permitem...

O que é um FIP, como funciona e como...

Ao buscar os possíveis investimentos no mercado financeiro, você provavelmente se deparará com os fundos de investimento. Existem diversos tipos, e a principal diferença...

Glossário do mercado financeiro: conheça os principais termos!

Quem já investe ou está começando no mercado financeiro se depara com diversos termos diferentes. À primeira vista eles podem parecer confusos, mas com...

Similar articles

Instagram