Como realizar transferência de custódia de Ações, FIIs, ETFs e Tesouro Direto?

Antes de fazer investimentos, é preciso escolher por meio de qual instituição financeira você fará as aplicações. O ideal é buscar aquela que melhor se adéqua ao seu perfil de investidor, tenha boas ferramentas, grande prateleira de produtos e lhe ofereça todo suporte necessário. 

Mas se isso não ocorrer, saiba que você pode fazer a transferência de custódia. Assim, se estiver insatisfeito com a sua corretora, não precisa manter o vínculo. 

O processo de migração é relativamente simples, gratuito, e permite que você encontre uma instituição que atenda às suas expectativas. Quer saber mais sobre o assunto? 

Continue a leitura e entenda o que é e como fazer a transferência de custódia dos seus investimentos!

O que é a transferência de custódia?

A instituição financeira por meio da qual você faz os investimentos é responsável pela custódia e registro deles. No entanto, cada investidor pode escolher a instituição que mais lhe é atrativa.

Existem diversos motivos pelos quais um investidor pode desejar fazer a transferência de custódia, como custos mais baixos, ferramentas melhores, mais opções de investimentos, interesse em mudança para um assessor de outra instituição ou por deficiências no atendimento, por exemplo.

Ao descobrir outras instituições financeiras, pode ser que você se interesse por elas. Nesse caso, o que fazer com os investimentos que já estão sob custódia?

É importante entender que não é necessário fazer o resgate antecipado e nem deixar os ativos ligados à instituição atual. Mesmo que isso seja uma alternativa, também é possível fazer a transferência de custódia.

Com isso, o registro dos ativos é transferido para a nova instituição. Assim, será possível reunir sua carteira no mesmo local, juntando tanto os investimentos já feitos quanto os que ainda serão realizados.

Como ela funciona?

De forma geral, a transferência de custódia funciona por meio do preenchimento do formulário de Solicitação de Transferência de Valores Mobiliários (STVM). Praticamente todos os ativos podem ser transferidos, mas o processo muda de acordo com o tipo de cada um.

Exemplo de STVM:

Preenchimento STVM Rico Custódia

Fonte: Rico

Os Fundos de Investimento Imobiliário (FIIs), Fundos de Índice (ETFs), os títulos do Tesouro e as ações são os tipos de ativos mais transferidos. Mas eles não são os únicos que oferecem essa possibilidade. Também é possível transferir os títulos de renda fixa, como Certificados de Depósito Bancário (CDB), Letras de Crédito Imobiliário e do Agronegócio (LCI e LCA), entre outros – inclusive fundos.

Geralmente, o processo de transferência de custódia desses títulos é mais burocrático. Portanto, você precisará verificar com as duas instituições financeiras quais são os procedimentos que deverá seguir.

Por que vale a pena fazer a transferência de custódia?

Todo investidor tem direito a fazer a transferência de investimentos. Como você viu, os motivos para isso também são diversos. A operação pode ser bastante vantajosa em diversas situações. 

Algumas vantagens são:

  • aproveitar custos mais baixos;
  • receber um serviço mais qualificado;
  • usufruir de um melhor atendimento;
  • acessar um leque maior de opções de investimentos.

Independentemente do seu motivo, a escolha pode ser crucial. A instituição financeira pode fazer uma grande diferença nos seus investimentos, principalmente pensando no longo prazo.

Afinal, contar com o suporte de uma instituição sólida, transparente e capacitada pode ser o diferencial para os seus investimentos. Com isso, você consegue conhecer e acessar as melhores opções do mercado e construir uma carteira cada vez mais sólida e alinhada ao seu perfil e objetivos.

Como realizar a transferência de custódia?

Depois de saber mais sobre o assunto, é importante ressaltar que realizar a transferência de custódia pode ser mais simples do que você imagina. Existe um passo a passo geral, com a diferença que o preenchimento do formulário varia de acordo com o ativo.

Confira:

Abra conta na instituição financeira de destino

O primeiro passo é escolher uma nova instituição financeira de acordo com os seus critérios. Depois, abra uma conta, o que normalmente pode ser feito de forma online.

Essa instituição será a responsável por receber os seus investimentos. Portanto, o ideal é analisar com calma e cuidado, para conseguir tomar uma decisão mais acertada e de acordo com os seus objetivos.

Preencha o formulário de transferência

Após receber a confirmação da abertura de conta, entre em contato com a instituição financeira atual (de origem) para verificar o procedimento para transferência de custódia que pode ser pelo site ou por envio do documento (STVM) preenchido de forma digital.

O formulário deve ser fornecido pela instituição. Nele, você vai descrever os ativos ou títulos que deseja transferir  para a nova corretora. Podem ser Ações, FIIs, títulos do Tesouro ou Exchange Traded Funds (ETFs) etc.

Além dos ativos, você deve descrever a quantidade e o valor que possui em cada um deles. Também é necessário informar o motivo da transferência que, nesse caso, será “mesma titularidade em outra instituição”.

Reconhecimento de firma (se necessário)

Algumas instituições solicitavam o reconhecimento de firma em cartório, mas com a pandemia de covid-19, muitas começaram a aceitar apenas o envio da STVM preenchida de forma digital (pelo site ou email). 

Solicite a transferência para a nova instituição

Por fim, enviar o formulário para a instituição atual (cedente) para solicitar a mudança para a corretora que você escolheu (cessionário).

A transferência de custódia leva poucos dias (em torno de dois dias úteis). O prazo varia de acordo com a instituição. Após finalizar a transferência de recursos ou ativos, a carteira do investidor passará a fazer parte da sua conta no local escolhido.

Assim, você poderá acompanhar e movimentar todo o seu portfólio a partir da sua nova instituição financeira. Também será possível fazer novos investimentos. A conta na instituição antiga poderá ficar inativa ou ser cancelada, de acordo com a sua vontade.

Agora, se na sua estratégia, você precisa ter investimentos em bancos e corretoras diferentes, utilize a plataforma Fliper para consolidar toda a sua carteira de forma automática em um único lugar. Gráficos de rentabilidade, evolução do patrimônio, notificações de proventos, informações qualitativas e quantitativas, notícias do mercado e uma visão completa do seu portfólio lhe ajudarão a tomar melhores decisões.

Quem se conhece, melhor investe!

 

Siga-nos

Últimos artigos

O que são NFTs e como funcionam os Non-Fungible...

Com o avanço da tecnologia em rápida velocidade, as pessoas correm o risco de não conseguir acompanhar todas as novidades e perder oportunidades de...

Índice de Sharpe: entenda o que é e como...

Ao analisarmos investimentos, é possível compará-los por diferentes parâmetros — como risco, liquidez e rentabilidade. No entanto, muitas vezes, esses fatores isolados não permitem...

O que é um FIP, como funciona e como...

Ao buscar os possíveis investimentos no mercado financeiro, você provavelmente se deparará com os fundos de investimento. Existem diversos tipos, e a principal diferença...

Glossário do mercado financeiro: conheça os principais termos!

Quem já investe ou está começando no mercado financeiro se depara com diversos termos diferentes. À primeira vista eles podem parecer confusos, mas com...

Similar articles

Instagram